Faca no dente! Selva!

Escola para os filhos: está aí uma coisa que me deixa louca aqui no Vale do Silício. Se cada filho traz uma preocupação diferente e quanto maior o filho maior o problema…vocês podem entender porque eu ando escrevendo tão raramente rs! Meus filhos estão crescendo; 5, 14 e 16 anos!

Quando a gente tem um bebê, sofre porque tem um bebê! Chega lá pelos 8 meses (ou antes, muito antes galera!) você, a  glamorosa ‘stay-home-mom’ está a beira do desespero por um ‘break‘. Você acorda um dia, atordoada, deixa as culpas todas debaixo do travesseiro, cata o bebê e sai a procura de um ‘daycare‘, uma escolinha. Você faz a via-sacra e volta desolada com um bebê cansado, um carro zoado, e lagriminha nos olhos – nos seus olhos!

‘Sorry honey! We have a waiting list of one year. You should have enrolled him/her when you were expecting, that is what most mothers do.’ (‘Desculpa meu amor! Nossa lista de espera é de um ano. Você deveria te-lo registrado quando estava grávida, isso é o que a maioria das mães fazem.’) -diz a diretora da escolinha vencedora da tua minuciosa e hiper detalhada listinha!

Bem, passa um ano, dois, enfim, um dia você consegue uma escolinha. Seria provavelmente, mais fácil, ter encontrado uma vaga de emprego do que uma vaga na bendita escolinha!

Você pensa que vai ter um descanso! kkkkkkkkkkkk bobinha! Sabe nada! Você vai é entrar na era do ‘voluntariado’. Você vai fazer cookies de coraçãozinho para o Valentine´s, pratos para a festinha da Páscoa, vai se sentir na obrigação de comprar sacolas horrorosas para ajudar o ‘fundraising’ da escola do seu filho, ou, comprar essas ‘Sees Candy’s’ fuleiras, ou um livrinho da Scholastics que nunca acertam nas entregas. Você vai voluntariar para fazer massinha com farinha e sal na sala do seu filho, ou para ensinar algo ‘diferente’, ou para dirigi-los ao zoológico! Enfim, oportunidades é que não vão te faltar!

Elementary School!  A partir daqui você não decide mais nada amiga. Esquece aquela casa moderninha, com um quintalzinho, 4 quartos…esquece! Você vai morar onde a escola é boa. Aperta toda a família numa casinha (de madeira) e reza para que a escola seja ‘boa’ de verdade. ‘Voluntária’ is your middle name rs! O tal bullying começa; você pega leve, aconselha seu filho e seguem em frente. Bem vinda ao mundo da ‘homework'(licao), das ‘notas’ e ‘labels'(rótulos) – Teu filho está na matemática avançada ou não? Não? Tá sofrendo ‘bullying’ pois pode estar sendo chamado de: ‘dumb one’ (o tonto/burrão), ‘dumb lane’ e por aí vai. E você? Na luta! Unhas e dentes!

Middle School! A pior fase! Pronto, agora o bullying e super real, os rótulos também. Homework virou o inimigo número 1 da família rs! ‘Voluntária’ não é mais seu ‘middle name’ mas o seu NOME mesmo! Não interessa se você trabalha full-time ou não. Dá seus pulos aí minha amiga! Esportes: não tem nada de lazer…é competitivo e pronto. Entrou no time, entrou, nao entrou; dançou! Vai ter que treinar por fora ($) e tentar entrar no time no ano que vem; ‘boa sorte’. Então você tem em casa: uma criança na puberdade, atolada de responsabilidades as quais ela mal pode dar conta. Bem-vinda a era da ‘ansiedade’ em suas formas mais diversas. Você, o que faz? Luta, luta, mata um leão por dia! Não deixa a cultura local derrubar o teu filho!

O colegial! Que coisa linda! Você pensa assim: essa área onde moro é boa então o colégio é bom (sqn)! Você sai procurando um colégio para o seu teen. Daí percebe que: as escolas Católicas são muito boas e o precinho e um pouco mais acessível (Harker $45K por ano). Porém, contudo, todavia…você tem que entrar num processo bem complicado! Teu teen tem que se preparar (fazer aulas particulares, testes online, etc) para um teste escrito de 3 ou 4 horas. Voce (sim, você) tem que preencher uns 9 formulários online, por escola – geralmente, se escolhe pelo menos umas três escolas. Multiplica aí o teu trabalho!

Um belo dia em Março, após as 17hrs, as escolas divulgam via email se seu teen foi admitido ou não . Imagina a tensão nesse tal dia? A choradeira, o desencanto, o desespero de quem não entra em nenhuma? E o Instagram bombando? -para piorar a vida de quem nao entrou 😦 Os teens postam uma foto do email recebido das escolas e escrevem: ‘Class of 2020’ ou ‘Proud Monarch!’ (Mitty High School) ou ‘Proud Panther!’ (Presentation High School – girls) e por aí vai!

clara notre dame

Aqui em casa tivemos muito choro, pois ela primeiro soube da escola que não entrou. Quando eu ía fazer as malas e me mudar do Vale rs chega o email acima!  Gente, sufoco total esse negócio, affee! Por tudo que a minha filha enfrentou na ‘middle school’; bullying e assédio, essa semana foi pura vitoria! Sou uma ‘proud mama’ (mãe orgulhosa) me sinto o Rambo da história 😉 Me rasguei lutando muito junto a ela, por sua saúde emocional, por seus interesses, seu futuro. Fiz demais, fiz de menos, fiz o que me parecia certo nas circunstâncias em que nos encontravamos.

Havia dias em que eu sentia estar sendo puxada por todos as extremidades do meu corpo! Era o pequeno exigindo minha atenção, eu com o pé na cozinha na obrigação de produzir uma janta nutritiva, a de 14 anos estressando sobre as escolas, a primogênita estressando sobre o tal vestido para o Prom! Meu marido querendo ser meu marido! Eu não tinha mais o que ceder, o que falar, o que doar de mim. Fiquei louca! Queria mesmo era mandar todos…rs sqn!

Socorro! Cade eu!? Quem sou eu!? Onde estou?! O queeee? Quando esse povo todo me aconteceu rs?! Eu tive situações de delírio onde eu tinha 26 anos e dizia NÃO ao meu marido kkkkk ‘Não’ a vida globalizada! Mas, daí me vi sozinha. Sozinha.

Hoje, escrevendo, sinto um pequeno alívio. Também sinto que posso dar um basta. Assim sugeri o tema para o nosso próximo encontro do Cafe com Abraco: Cafe ‘Basta’! O interessante é que muitas mulheres ao meu redor tambem sentem-se assim: basta! Basta desse estilo de vida estressada, basta dessa competição entre as mulheres, crianças, pais, mães! Basta de bullying! Basta de ver tudo pelo avesso e não poder fazer nada.

Qual é o seu ‘basta’!? Vamos mudar essa história?!

steve jobs crazy enough

Creio que somente os loucos pensam que podem mudar o mundo. E são exatamente esses quem fazem a diferença, pois foram loucos o suficiente para acreditarem que podem!

Quem vem?!

Café com Abraço apresenta: CAFÉ BASTA!  (Café NO MORE!)

Onde!? Testarossa Winery – 300 College Ave, Los Gatos, CA 95030

Quando!? Domingo, dia 20 de marco

Que horas!? As 14hrs

Estilo piquenique: traga algo (simples) para dividir. Mais informacoes: no nosso grupo Facebook Cafe com Abraco.

‘Tudo vale a pena quando a alma não e pequena.’

Aquele abraçoooo!

Adri xxx

 

 

Advertisements

Tears in the Valley

Youth suicide, Palo Alto, Silicon Valley. When you no longer appreciate life, and yet you are only in your teenage years. Any parent of a teenager, like myself, reading this article worries about the quality of life we – really – have over here.

train Palo Alto
www.mercurynews.com

We question ourselves; ‘Am I putting too much pressure on my kids?’, ‘Am I protecting them enough?’ or ‘Am I protecting them too much?!’, ‘Are my kids okay?,’Are they telling me everything? or Nothing?!’, ‘What about my school district?’.

Something is really wrong and kids are sad. They are confused, they are sick, they are lonely, they are overworked, stressed out. Pretty much like many of us parents living and working in Silicon Valley.

Most of us are struggling. Many of us are lost. People are lonely.

There has been a shift in what is important, what is precious, what is right. Kindness, friendship, empathy, respect for one another, having fun, are the least of our worries. No wonder our children do not know how to get help or how to give help.

We all learn at different paces – while some kids have excelled intellectually and there is a minority in the Valley which are fit for College at age 13 (!), others have well-founded emotional skills that can help them dealing with life’s curve balls. We need to bring these two skills together; intellectual and emotional.

We have to stop penalizing each other, stop making our neighbor, our colleagues, our children feel inadequate. ‘B’ is good, very good! C is a pass, by the way. Carolyn Walworth – former student at Palo Alto High – wrote an article that describes what many of our students, here in the Silicon Valley, feel like.

I  have seen so much since I moved here to the Valley. And there are things I wish I had never seen or experienced.  I try to do my best by learning every day, sharing the very little I know – without imposing on others – I have learned that we all have our limits – and that is okay.

‘Peace begins where (high) expectations ends’. Sri Chinmoy

Adri xxx

 

 

 

 

 

Ser e Estar – Expatriada

Arrumar as malas para visitar o Brasil e um exercicio fisico e mental imenso: voce esta feliz em levar milhoes de presentes, em ir ao ‘mall’ trocentas vezes para comprar as bolsas, as maquiagens, os produtos de cabelos, os brinquedos da Frozen (sim ainda tem essa neurose Disney por la!) e voce esta triste porque sabe que quem faz as malas tambem as ‘desfaz’; voce sabe que vai ter que falar ‘tchau’ para todo mundo, sem saber quando ou se os reencontrara.

Enfim, voce relaxa e pensa so na parte boa! E o dia chega! Vai voce, marido, filhos e as mega malas recheadas! Passaporte Ingles, Americano, Hungaro – escolhe ai um, tio! Passaporte brasileiro que e bom, nao tinhamos nenhum; todos vencidos!

Sou de Sao Paulo. Minha familia organizou uma casa na praia, na fabulosa e segura Riviera de Sao Lourenco, para passarmos o Natal! Existe algo melhor que isso: ferias nas praias do Brasil com a familia brasileira?! Existir pode existir, mas nao presta nao rs!

IMG_20151227_033005971_HDR

Existe povo mais engracado, divertido, apaixonado, hospitaleiro, festeiro, que o brasileiro? Um povo que mesmo preso em suas proprias casas, é livre. Nao. Nao existe. A Dilma pode fazer o que for mas o meu amor e admiracao pela alegria de viver do meu povo nao morrera, jamais!

Nas palavras das minhas filhas adolescentes:

-Mae, o Brasil e tao legal! As pessoas sao felizes! E muito diferente daqui, mae.

Claro, voce deve estar pensando: vem morar aqui entao, vem! Entendo, ferias sao ferias nao e mesmo? Nao! Eu ja fui de ferias em outros paises, lugares, praias e nenhum lugar e mais descontraido e divertido, do que as ferias no Brasil. Ano Novo no Brasil? Impagavel! Todos de branco, na praia, os fogos, a emocao de poder abracar tua familia, agradecer a Deus por aquele momento, ver teus filhos aprendendo tua cultura e amando tudo aquilo!

IMG-20160104-WA0000

Fomos convidados a passar o Ano Novo com uma outra parte da familia. Uma parte bem louca rs! Deliciosamente, louca. Eramos mais de 20 (e faltava ainda muita gente boa nessa familia) numa casa de praia, na Fortaleza/SP. Criancas pequenas, adolescentes, tios, tias, avo, avo, amigas, etc. Dormindo todos amontoados, nuns colchoes no chao e felicissimos! Para mim, era como voltar no tunel do tempo – quando eramos criancas e iamos para a casa de praia com os primos.

A casa era bem grande, uns 3 andares e estilo ‘pe na praia’. Havia uma dispensa cravejada de alimentos diversos, inclusive doces – muitos doces. E a porta dessa dispensa ficava constantemente aberta. As criancas eram incentivadas a se servirem do que quisessem, quando bem entendessem. Preciso repetir a ultima frase?

A principio, achei que eu ia surtar!

-Meus filhos comendo chocolate na hora do almoco?!

-O que?! Voce quer dar Coca-Cola para o meu filho?!!

-Quem deu esse pacote de bolacha na mao dele?!

-O que? Que luau?! Onde? Agora? Que? As meninas ja foram?!

Nao tivemos brigas, nem discussoes, nem nada, so tivemos risadas, gargalhadas escancaradas, criancas felizes e muito saudaveis, adolescentes com liberdade de ir e vir e cada um responsavel por seus atos. Como assim? Ninguem resistia a nada e assim nos tornamos todos irresistiveis, uns aos outros 😉 Era Vegas!

A hora preferida: as refeicoes! Que eram infindaveis, com gostosuras na mesa, mais gargalhadas e muitos, muitos ‘causos’, muitas historias antigas de familia, daquelas que realmente sao indispensaveis em qualquer reuniao. Tudo isso compartilhado ali, na mesa simples da cozinha.

Eu tenho certeza que mesmo vazia, aquela cozinha, daquela casa, naquela praia, hoje sorri.

E as conversas a mesa eram uma verdadeira competicao: quem consegue falar mais, quem fala mais alto e quem nos fazia rir mais! Eu costumava ser tao boa nisso! Era a palhaca da turma, sempre fui, mas na humildade eu confesso: perdi feio naquela mesa! Estava destreinada! Porem, fui muito ‘falada’ rs! E como diz a minha irma:’the zoeira never ends‘. Era uma zoeira saudavel, da qual voce agora sente falta… onde estao todos?  Os barulhos, as risadas, por que esta tudo tao silencioso aqui nesse Vale rs?!

E como eu podia pensar que depois de tantos anos entraria e sairia do Brasil, totalmente imune. Chorei escondidinha em varias ocasioes…por emocao em ver a comida preparada com tanto carinho por minha mae, por agradecimento em fazer parte de uma familia tao querida. Chorei quietinha, atras dos oculos escuros, ao chegarmos ao litoral norte – de onde tenho recordacoes maravilhosas. Bem naquela hora, a bendita da Adele cantando: ‘Hello from the other side‘… E eu me sentindo uma traidora de mim mesma; a propria responsavel por essa dor de ser e estar expatriada (Queria bater na Adele! Poxa, meus filhos ali no carro e eu me desfazendo em lagrimas!).

E mais do que depressa, chegou o dia tao temido; tchau familia! Tchau coxinha rs, tchau pastel de Bertioga, tchau padoca, tchau caos, adeus almocos em familia, tchau criancas em liberdade, tchau calor tropical…e o pior para quem volta ao Vale do Silicio: tchau praia quentinha! Buahhhh!

Antes dessas ferias, eu pensava que eu nao era nem mais tao brasileira assim, depois de 21 anos fora do Brasil. Mas, isso foi so ate eu colocar os pes nas nossas praias! Fiquei em extase com tanta beleza natural a minha frente; era tudo muito…muito verde, muito amarelo, muito vermelho, muito rosa, muito violeta, muito lindo! O verde era mais verde! Mais verde que em qualquer outro lugar. E me lembrei de repente da Cancao do Exilio, de Goncalves Dias:

‘Nosso céu tem mais estrelas,

Nossas várzeas têm mais flores,

Nossos bosques têm mais vida,

Nossa vida mais amores.’

Eu nao sei como explicar melhor, mas ‘nossa vida mais amores’ ja da uma boa dica de porque aqui e bom mas e uma merda e la no Brasil e uma merda mas e bom. Pelo menos, nas ferias 😉

Ate a proxima meu Brasil, e que seja breve! Obrigada por restaurar minhas energias! Ja morrendo de saudades e torcendo por voce, por dias melhores e mais justos…

Adri, Julia, Clara, Janos e Mateus

Adri xxx

Um presente especial, nao: tres!

Ha de fato muitos acontecimentos em nossas vidas, os quais realmente a principio, nao compreendemos.

Muitas de nos, desde pequenas, temos o tal sonho da maternidade e outras tem outros sonhos, planos!  O meu era assim:

Vou me formar como professora, me casar, ter 3 filhos, trabalhar meio periodo e ser feliz!!! Almocar na casa da minha mae aos domingos, junto com minhas irmas e suas familias! (ha ha ha)

Eu me formei como professora, me casei com um gringo rs tive tres filhos! Mas, tudo isso aconteceu num contexto completamento oposto ao do tal ‘sonho/plano’ inicial. Moro do outro lado do mundo e almoco em familia, aos domingos, so acontece via Skype! Ah e tive meu terceiro filho aos 38 anos- 12 anos depois da primeira filha. Esse nao era o plano!

Quando moravamos na Inglaterra (onde minhas duas filhas nasceram) em Marco de 2003, estava eu sentada a minha mesa de jantar, sozinha, enrolando brigadeiros para o aniversario da minha filha Clara, que iria completar 1 aninho. De repente, eu sentia as lagrimas correndo pelo meu rosto…sabem aquela pontinha de tristeza em se ver sozinha preparando a festinha de aniversario do filho? Sem a mae, irmas, tias, avos, ou amigas. Sozinha.

Foi entao que um milagre acontecia em minha vida. Eu la no continente europeu, envolta num ceu cinzento e num clima constantemente frio, ao som da chuva – que era a musica diaria nos meus ouvidos  – 365 dias ao ano…Manchester. Eu senti Deus falando comigo! Foi mais ou menos assim:

-Nao fiques triste! Eu ainda te darei mais um filho, um filho homem, que nao vira nem cedo nem tarde, mas na hora certa. Tu acharas que ele veio tarde, mas em verdade lhe digo: ele vira na hora certa.

Entao ta…estou ficando louca e e isso rs pensava eu, na epoca. Porem, uns tempos depois eu ouvi de novo:

‘E tu o chamaras de ‘Mateus’, agora vais e veja o significado deste nome’.

E para quem nao sabe: ‘Mateus: presente de Deus’.

Uns 4 anos se passaram e nos mudamos para os Estados Unidos, Nova Iorque. Foi la onde o nosso querido Mateus nasceu. Nao foi nada, nada facil! As circunstancias em que eu me encontrava durante a gestacao e o nascimento do Mateus, foram muito complexas e totalmente desfavoraveis.

Eu realmente achava que foi umas das piores epocas possiveis para que eu engravidasse, embora eu estivesse super feliz!

Quase cinco anos mais tarde, aqui estamos: na California! Muito sol e a chuva eh uma coisa rara na minha vida rs quem diria! Mateus e um menino incrivel, que completa a familia de uma forma mais que perfeita.

Nesse ano de 2015, suas irmas passaram por fases arduas e estressantes. A adolescencia ja e um capitulo complicado na vida do ser humano e quando transportada de um pais a outro, e com paradeiro em meio ao Vale do Silicio…ahhh so quem e mae de adolescentes sabe do que estou falando. Cruel.

O Mateus com seus 4 aninhos, faz suas irmas rirem quando elas tem motivos de sobra para chorar! Ele as deixa muito bravas quando tem motivos serios e tristes para ficarem depressivas – mas nao! O Mateus esta sempre por perto; azucrinando rs, trancando o quarto da irma mais velha e sumindo com as chaves, pegando o batom delas e passando na boca do gato ou simplesmente, querendo brincar de rolar no chao abracadinho com as irmas, ou batendo a porta de seus quartos enquanto elas tentam fazer licao de casa:

-Juliaaaaa! Eu quero entrar…voce falou que ia brincar comigo…Juliaaa! – e a porta se abre, a irma de 16 anos, que esta a horas estudando Fisica, nao resiste aqueles olhinhos azuis, ajoelha-se perto ao irmao e da aquele abracao! Stress relief time 😉

Hoje a tarde, ao ver os tres juntos apesar de suas enormes diferencas de idade, dancando e fazendo palhacadas, eu lembrei:

‘Ele vira nem cedo, nem tarde, mas na hora certa!’

E assim e na vida de todas nos…as tentantes, as que nao gerarao seus filhos mas que os encontrarao nesse mundo ja prontinhos a lhes esperarem, as que terao filhos depois dos 40, as que tiveram mais cedo do que o planejado e as que decidiram nao ter nenhum. Eu creio sim, que ha um motivo maior, um proposito de vida. Vidas. Vidas que cruzarao com outras vidas, no momento certo.

Sejam quais forem os seus planos, concretizados ou nao…Creia num proposito maior. Creia na sua importancia como ser humano agora, nesse momento, seja onde voce estiver. A sua vida esta ligada a outras vidas que precisam de voce, do seu precioso tempo, hoje.

Tenham todos um Feliz Natal e que Deus abencoe o desejo do coracao de voces!!! E mais que tudo: que tenham forcas para seguirem seus caminhos na luz, sempre brilhando!

IMG_6754

Adri xxx

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Agradecer nao e tao facil

E aqui vamos nos! Mais um feriado Americano que se passou, mais uma celebracao e bem em meio ao famoso e bizarro ‘Dia das Bruxas’ e ao nosso tao esperado, amado Natal!!!

Thanksgiving‘ -Dia de Acao de Gracas; para os brasileiros que ja estao aqui por um tempo e um feridado importante (sim importante, porem, ainda da aquela pontinha de: Ai meu! E o Natal!? Eu quero NATAALLL!).

Dentre toda a preparacao para a ceia do Dia de Acao de Gracas, esta sempre presente aquela sencacao de agradecimento:

‘Obrigada por essa refeicao maravilhosa!’

‘Obrigada pela minha familia, filhos, amigos!’

‘Obrigada pela saude, por ter um bom teto, por estar aqui, pela minha familia Brasileira – apesar de distante – estar bem!’

‘Obrigada pelo Whatsapp, Hangout, Skype! Meu Whatsapp ‘familia’ esta cheio de fotos do Lake Tahoe, um verdadeiro tour virtual rs!

Mas…e quando tudo da errado?! E quando voce tem que agradecer pelos ‘perrengues’ que esta passando? Voce tem que?! Well…yes you do 😉 Sim!

‘Obrigada por eu nao ter conseguido aquela vaga naquela empresa!’

(pois mais tarde voce viu que seus filhos precisavam de voce em casa muito, mas muito mais do que voce jamais poderia imaginar!?)

‘Obrigada pelas escolhas erradas que meus filhos fizeram esse ano! Principalmente, as mais cabeludas rs!’

(porque adiante…aquele seu filho, agora mais maduro, mais esperto devido a tantos erros cometidos…ofereceu uma ajuda amiga que salvou uma vida!?)

Obrigada pela dor profunda que senti ao ver meu proximo sofrer…

(pois esta dor te impulsionou a lutar por direitos humanos!?)

Obrigada, muito obrigada mesmo pelos momentos dificeis em familia, onde pensei que eu nao tinha mais recursos, nao tinha mais palavras, nao tinha mais forcas, nem chao, nem fe…

Foi nessa hora em que os amigos mostraram seus verdadeiros dons! Dons esses que talvez, eles mesmos nao conhecessem, mas que atraves desse milagre que eh o amor ao proximo; eles tambem se descobriram, se fortaleceram e juntos, nos nos levantamos!

Agradecer assim nao e tao facil, mas faz bem; coloca tudo em perspectiva e ajuda a entender como crescer e dificil. Mas, que e tambem uma experiencia extraordinaria; quando crescemos juntos!

Obrigada meu Deus, pela natureza humana, que tem a capacidade de converter erros, dores e tragedias, em licoes de vida.

Obrigada meu Deus pela natureza! Mesmo esta sendo abatida pela humanidade ainda  nos mostra o poder da renovacao, da esperanca e do recomeco a cada estacao!

IMG_6708
Lake Tahoe, Squaw Creek Resort, California na neve! Thanksgiving 2015

Ate o Natal!!!

Adri xxx

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Eu, minha tribo e Deus!

Quantas vezes nos ouvimos amigas reclamarem sobre coisas mais ou menos assim:

-Nao aguento mais tanta gente dando palpite de como criar meus filhos! Minha irma acha que so os filhos dela sao perfeitos!

-Minha mae diz que no tempo dela acucar era necessario; crianca precisa de energia! Dai, ela faz um copo quase preto de Toddy pro meu filho! Fico louca com isso!

-Minha tia, todo Natal da uma toalhinha bordadinha com o nome,  para todos os sobrinhos; quem usa isso gente?! Affee!

Queriamos nos, as expatriadas, termos a mae ao nosso alcance, mesmo ao preco de um copo de Toddy daqueles bem escuros rs! Ou a irma, dando palpites mil sobre a educacao dos sobrinhos! Que luxo! E aquela toalhinha bordadinha…? Ah, essa eu ia guardar com tanto carinho…pois meus filhos nao tiveram nada disso…isso se chama, carinho, carinho de familia. Pode ser chato, pode ser brega, pode ser ate demais, mas…voce tem certeza que quer trocar tudo isso pelo isolamento?

Eu tenho 3 filhos, duas adolescentes, um menininho de 4 anos. Conforme meus filhos crescem, a cada um de seus tombos, machucados e ma-escolhas: uma cicatriz a mais no meu coracao. Vou aprendendo como qualquer outra mae; aos trancos e barrancos, errando muito, acertando um pouco. Sentimentos extremos de tristeza e alegria nos perseguem. Nessa minha jornada de mae, eu te digo: ‘e preciso uma aldeia para educar um filho’ -‘it takes a village to raise a child’.

E quando nao se tem essa aldeia? Nem se sabe onde ela fica rs??? Bem, constroi-se uma, aos pouquinhos, leva tempo, mas e questao de sobrevivencia para nos, maes expatriadas, maes que moram longe de suas familias, maes solteiras. As amigas, os vizinhos, os bons professores, os conselheiros da escola do teu filho, todos podem te ajudar – faca tambem da escola, uma extensao da sua tribo. Voce nao esta sozinha, olhe com bons olhos ao teu redor e edifica a tua aldeia!

Temos aqui no Vale do Silicio, dois grupos de maes que acompanho: o Mamaes Brasil e o Mamaes Brasileiras do Vale do Silicio – vejo nessas maes a vontade de se unirem, de participarem, de estarem juntas conforme podem. Todas nos sabemos que precisamos umas das outras. Todas nos queremos a mesma coisa: uma tribo! Que respeite, que se importe, que de colo e empatia nos nossos momentos mais dificeis. E como esses momentos existem! Nenhuma de nos esta imune a eles.

Portanto, se voce esta no Brasil, com sua familia; releve! E quando voce, que mora longe, vai visitar a familia e ouve algo assim:

-Voce esta tratando essa crianca como um adulto! Ela e so uma crianca!

Nao esquente a cabeca, pois na realidade…voce sabe que essa tia ai esta certa rs! Eu sei, voce esta seguindo o jeito de viver daqui, voce esta lendo os livros de como educar seu filho, voce esta tentando seu melhor! Voce tambem esta certa! Releve…Entenda que essa pessoa tambem esta te mostrando: olha, nos estamos aqui, relaxa, tem mais gente para cuidar do seu filho 🙂 Nao tente ser perfeita; isso nao e bom para voce. Eu sei que por estarmos sozinhas, nos sentimos naquela obrigacao de sermos a mae perfeita, porque sabemos que nao somos ‘so’ a mae…somos a tia, o tio, a vo, tudo e todos!

Meu segredo? Nenhum, estou pastando igualzinho a voces rs! Eu tenho minha tribo aqui, outra na Inglaterra, uma familia incrivel a somente um click do Whatsapp e alem de tudo isso o meu principal: guardo no coracao o Deus do impossivel! E com Ele tudo se faz possivel a mim e aos meus…

'..onde estiver o teu tesouro, aí também estará o teu coração.' Mateus 6:21
‘..onde estiver o teu tesouro, aí também estará o teu coração.’ Mateus 6:21

Eu queria nesse momento poder fazer parte de todas as tribos que possam vir a precisar de mim: sou uma mae, que passou, passa e passara por muitas situacoes dificeis. Eu gostaria muito de poder compartilhar os meus erros, com outras maes. Errar e humano e ‘guess what’?! (adivinha?!): Maes e Pais sao seres humanos tambem! :p

Adri xxx

A persistencia, a violencia, o feminismo!

E hoje eu leio que o ENEM esta dando o que falar! E hoje eu disse as minhas filhas adolescentes, que nasceram na Inglaterra e estao crescendo por esse mundo afora, atualmente na California, no Vale do Silicio:

‘-Leiam isso! Eu, aos meus 43 anos estou me sentindo gente inteligente! Menos suja, menos culpada, menos puta!’

Sim, menos puta! Porque e assim que uma menina, uma crianca de 12, 13 anos, uma adolescente, uma mulher se sente quando e violentada fisica ou verbalmente. E uma verdadeira confusao de sentimentos.

Na minha adolescencia, em Sao Paulo, eu pegava onibus para ir ao colegio – anos 1990-1994. Era uma ‘guerra dos sexos’ dentro daqueles onibus e, era no minimo; nojento. Lembro-me que eu e minhas amigas desenvolviamos ‘tecnicas’ para que os homens nao nos ‘encoxassem’. Colocavamos nossas mochilas bem baixas, nas costas; sendo assim, ao ficarmos em pe nos onibus lotados, nenhum safado estacionaria facilmente atras de nossas bundas. Mas havia sempre os mais insuportaveis que, ja estavam de olho em ti desde o ponto de onibus e, se nao tivessem exito em estacionar bem atras de voce, tinham a cara-de-pau de descerem no mesmo ponto de onibus so para tentar ‘passar a mao na sua bunda’ ainda ali, na escada do onibus, ou na rua mesmo, em meio a um vuco-vuco.

Ja fui violentada fisicamente, a caminho de casa – bairro classe media, excelente –  voltando da escola com uma amiga, em plena luz do dia. O fulano mentecapito, estava me seguindo – mas quando voce tem 14 anos e esta conversando com uma amiga, as vezes voce nao percebe a maldade do mundo ao redor de si. Ele me seguiu e de repente, tudo o que senti foi uma ‘maozada’ no meio das minhas pernas que eu me lembro muito bem, tirou meus pes do chao. Eu fiquei em choque e comecei a gritar, e vi o cara pondo a mao no bolso e sair andando como se nada tivesse acontecido… para depois correr e sumir…Minha amiga nao entendia nada; eu so gritava e chorava desenfreadamente…Assim que pude falar, ela me ajudou me abracando e me levando para casa. Meus pais chocados e, meu pai – hoje falecido – tinha porte de arma. Ele nao disse nada; pegou seu 38 e saiu em busca do agressor.

Meu pai nao o encontrou, gracas a Deus. Seria um horror termos deixado esse psicopata fazer ainda mais estragos numa familia.

No Brasil, na minha epoca, tudo isso era meio que normal. Nao tinha para quem reclamar e pior ainda, tinha medo de contar para qualquer um…Afinal, poderiam me julgar pelas minhas calcas justas, pelo tamanho do meu bumbum… ‘how dare me?!’

Eu sempre amei o carnaval, as festas, as musicas; adoro dancar! Mas, festas de carnaval, para os mais velhos, significava: voce vai la para os homens te passarem a mao, voce esta pedindo! E nessas festas, os ‘homens’ eram os adolescentes, como eu. Eu nunca ‘passei a mao’ em ninguem, eu ia ao carnaval de rua ou de clube para me divertir com minhas amigas, dancar, pular e nao para desrespeitar ninguem ou assediar uma pessoa sexualmente! Nem beber eu bebo rs! Mas, os meninos ah, muitos deles carregavam a mentalidade de seus pais. E nao havia, nem nunca houve protecao ou empatia por esse tipo de agressao a mulher.

Hoje, leio na midia que os nossos jovens brasileiros estavam sentados com suas canetas a mao, tendo que dissertar sobre o seguinte tema do ENEM:

enem_mec

Hoje eu lavei a alma. Hoje eu nao sou puta. Hoje a minha bunda é minha e é livre, numa saia, numa calca jeans ou numa legging.

E voce amiga? Tem historia para contar? Coloca na roda pois A CULPA NAO é SUA!

E nas proprias palavras da minha filha teen:

‘Nao mae, nao sou eu quem tenho que mudar, sao eles quem tem que mudar o comportamento deles!‘ – ela me disse isso quando lhe pedi para ‘amarrar uma blusa na cintura’ para evitar comentarios na escola sobre seu ‘bumbum brasileiro’. Mulheres, nao se iludam, violencia sexual contra a mulher existe no Brasil  – descaradamente – existe aqui, existe no mundo todo. E, comeca extremamente cedo, em forma verbal, que seja; corroi aos poucos.

O Feminismo esta ai para nos libertar, nos dar a paz que tanto merecemos.

Adri xxx